aula assíncrona

Como a aula assíncrona diminui barreiras de tempo e espaço?

Não é novidade que as inovações tecnológicas reduzem distâncias e conectam pessoas do mundo todo. Aliás, isso também acontece no contexto da educação, por meio da aula assíncrona. E, se você ainda não sabe o que isso significa, continue conosco para descobrir.

Neste artigo, falaremos de conceitos e aplicações das aulas assíncronas em ambientes virtuais de aprendizagem. Além disso, abordaremos a diferença em relação às aulas síncronas, bem como as quatro ferramentas que facilitam o trabalho dos professores EAD.

Mas, antes disso, vale fazer uma reflexão sobre as metodologias ativas de aprendizagem, como a sala invertida. Na flipped classroom, por exemplo, o ensino é mais dinâmico e produtivo, possibilitando a construção do conhecimento de maneira colaborativa. 

Na prática, o que é uma aula assíncrona?

A aula assíncrona é aquela que não se realiza no mesmo tempo e espaço para os educadores e estudantes. Ou seja, o professor pode gravar o conteúdo e encaminhar aos seus alunos, de modo que aconteça um diálogo posterior sobre o assunto.

Qual a diferença entre aulas síncronas e assíncronas?

Como já citamos, a aula assíncrona não acontece ao mesmo tempo para estudantes e professores (ou facilitadores). Já a aula síncrona é realizada ao vivo, com todos conectados em uma sala de aula virtual.

Em se tratando da parte assíncrona, ela é vital para o protagonismo dos alunos em suas trilhas pedagógicas. Afinal, eles têm mais autonomia para acessar os materiais conforme sua disponibilidade e conveniência. 

Mas isso não significa que o conteúdo seja deixado de lado, pois é apenas uma nova forma de ensinar e aprender. No caso, estamos falando de um planejamento diferenciado, que já é pensado para a transmissão de conhecimento de modo transversal e interdisciplinar.

Em uma plataforma LMS, por exemplo, podem-se gerar relatórios de desempenho individual e coletivo. Assim sendo, os docentes têm mecanismos para avaliar a necessidade de reforçar certos assuntos estruturantes, para garantir o melhor aproveitamento da turma.

Vale a pena usar a aula assíncrona?

Essa estratégia ajuda a superar distâncias geográficas e democratizar o acesso à informação. Por exemplo, muitas escolas precisaram se adaptar repentinamente quando começaram as medidas de isolamento social para conter a transmissão da Covid-19.

Nesse cenário, cabe ressaltar que nem todos têm a mesma chance de se conectar às aulas em tempo real. Segundo a pesquisa TIC Educação 2020, esses são alguns dos desafios enfrentados no ensino remoto diante do cenário desigual da pandemia:

  • 83% dos participantes relataram a falta de infraestrutura em casa. E isso vai desde os computadores, smartphones e tablets até conexão com a internet;
  • 73% dos entrevistados apontaram o aumento na carga de trabalho dos educadores. Em paralelo, 61% deles precisaram se adaptar às tecnologias digitais; 
  • 65% dos alunos vivem em situação de vulnerabilidade social. Nesse caso, outro ponto muito preocupante é a falta de acesso à alimentação adequada;
  • 59% dos profissionais disseram ter problemas para garantir o ensino inclusivo às pessoas com deficiência. Logo, recomendamos um vídeo que complementa o tema:

Quais as ferramentas para dar aulas assíncronas?

A seguir, listamos quatro ferramentas para dar aula de forma assíncrona, enriquecendo a aprendizagem. Vamos lá?

  1. EAD Plataforma: são várias funcionalidades para ministrar aulas síncronas e assíncronas. Para exemplificar, é possível agendar a liberação de postagens para datas específicas, assim como aplicar provas online durante os módulos.
  2. Loom: no software, você tem a opção de gravar suas aulas da tela do computador. Se preferir, existem mais alternativas: gravação de vídeos direto da sua tela, da câmera ou, ainda, usando ambos os recursos.
  3. Google Jamboard: nesse quadro branco digital, os conteúdos ficam armazenados na nuvem. Dessa maneira, é possível escrever e desenhar como se estivesse de frente para as lousas que costumavam ser usadas nas aulas presenciais. 
  4. Screencastify: trata-se de uma extensão do Google Chrome para gravar videoaulas direto do computador. Além de agilizar a gravação em si, você poderá compartilhar o material pelo Google Classroom ou gerar um QR Code.

Falando nisso, veja o tutorial do professor de Educação Física Marcos Morgado, que é certificado pelo Google. No canal TutEduca, ele divulga várias estratégias que podem ser interessantes para os colegas de profissão.

3 exemplos de aulas assíncronas

Agora, vamos trazer exemplos práticos de aulas assíncronas para enriquecer as experiências de aprendizagem. Nesse ponto, vale lembrar que isso pode ser feito para vários tipos de ações formativas (e não apenas nas três etapas da Educação Básica), ok? 

1. Ensino Médio: Geografia e Filosofia

Essa videoaula aborda simultaneamente os conceitos de Geografia e Filosofia, de modo interdisciplinar. Por ser um conteúdo focado no 3º ano do Ensino Médio, o formato assíncrono também ajudará na retomada dos estudos na fase do vestibular.

2. Curso Livre: bolo de pote

Dentro do curso online “Bolo de pote – Um cake lucrativo”, um dos módulos é voltado para a divulgação da marca. Isso porque não basta preparar os melhores produtos, já que é preciso vendê-los. Portanto, as facilitadoras apostaram na aula assíncrona para ajudar os boleiros e as boleiras a lucrar com suas criações.

3. Treinamento: sensores e medidores

Para finalizar os exemplos, essa aula assíncrona tem como base os fundamentos de instrumentação e metrologia. Aqui, o foco está nos sensores e medidores, juntamente com suas aplicações práticas no processo de automação industrial.  

Bônus: mais dicas para as aulas assíncronas

Por fim, indicamos um vídeo com dicas para o momento em que o aluno aprende estando desconectado do professor. 

E, assistindo ao vídeo, você provavelmente notou a desvantagem ligada aos feedbacks assíncronos, certo? Por outro lado, as plataformas para hospedar o curso online contam com o fórum EAD. Com isso, é possível promover a interação entre a turma, além de disponibilizar um canal adequado para dar e receber feedbacks.

Pensando nisso, fique à vontade para fazer uma imersão nos recursos disponíveis na EAD Plataforma. E o melhor: não perca o teste gratuito por 7 dias, além de conferir outras ideias no blog e no Youtube.

Nos vemos em breve!

Deixe seu comentário!
Fabio Godoy