como funciona a universidade corporativa

Como funciona a universidade corporativa? 7 exemplos práticos!

Quer saber como funciona a universidade corporativa, também conhecida como Sistema de Educação Corporativa (SEC)? Selecionamos 7 exemplos para inspirar suas trilhas de aprendizagem e, ao mesmo tempo, motivar o público interno, potencializando a produtividade em até 50%, além de contar com a economicidade e a flexibilidade do ensino a distância (EAD).

Antes de abordar como funciona a universidade corporativa, vamos retomar uma questão primordial: vale a pena ter a universidade corporativa? No Espresso3, o Professor Cassimiro fala sobre a relação entre o desenvolvimento das pessoas e a perenidade das organizações, por meio da sustentação das competências críticas para alavancar os negócios. 

Afinal, como funciona a universidade corporativa na prática?

Universidade corporativa é uma ferramenta que promove o desenvolvimento integral dos colaboradores, sendo que a estrutura e os formatos dos cursos podem variar conforme as necessidades do negócio. Por exemplo, pode-se fazer uma webconferência para esclarecer certos pontos sobre as normas de conduta, interagindo em tempo real com as equipes que estão nas filiais.

E, mesmo que a educação não seja a atividade-fim de uma empresa, entender como funciona a universidade corporativa pode ser um diferencial em mercados competitivos. Isso porque as ações formativas contribuem para manter o padrão de qualidade dos serviços, além de propiciar soluções para superar os desafios organizacionais, principalmente em tempos de crise.

As vantagens da educação corporativa

Do engajamento aos resultados propriamente ditos: entender como funciona a universidade corporativa (e colocar isso em prática) pode trazer diversos benefícios, tanto para as empresas, quanto os próprios colaboradores. 

A seguir, listamos algumas dessas vantagens:

  • Investimento no capital humano, que é um dos principais ativos das organizações bem-sucedidas;
  • Alinhamento do quadro funcional com os propósitos e o planejamento estratégico;
  • Melhoria do clima organizacional, favorecendo o cumprimento das metas; 
  • Integração motivadora e fluída para os recém-contratados (onboarding);
  • Redução dos índices de turnover, absenteísmo e presenteísmo, juntamente com o aumento dos níveis de satisfação e motivação;
  • Desenvolvimento das habilidades socioemocionais, com equilíbrio entre hard skills e soft skills;
  • Mais eficácia na gestão do conhecimento, otimizando os processos que “movimentam” as operações;
  • Trilhas de aprendizagem customizadas, com possibilidade de acompanhar o progresso individual e ainda reforçar os conceitos-chave, quando necessário; 
  • Criação de espaços colaborativos entre os setores, lançando mão da interatividade dos ambientes virtuais de aprendizagem (AVA);
  • Disponibilidade de inúmeros formatos de conteúdo EAD, o que inclui: videoaulas, webinars, gamificação e afins;
  • Excelente custo-benefício dos treinamentos online, economizando recursos que seriam usados para alugar salas de conferência, imprimir apostilas, providenciar o traslado dos participantes etc.

7 exemplos para entender como funciona a universidade corporativa

Chegou a hora da mão na massa: para saber como funciona a universidade corporativa, nada melhor do que conferir alguns cases de sucesso, não é mesmo? Aliás, muitas companhias já têm suas boas práticas devidamente reconhecidas, como o McDonald’s, que figura no ranking da Global Council of Corporate Universities (GlobalCCU)

Veja 7 exemplos práticos de empresas que entendem bem como funciona a universidade corporativa. Por sinal, as respectivas ações formativas vão muito além do antigo T&D (Treinamento & Desenvolvimento), para realmente inovar e crescer de forma sustentada.

1. Ambev

O Ambev On está investindo maciçamente nas inovações tecnológicas. Um exemplo é a aposta no formato Netflix, incluindo conteúdos traduzidos em Libras. Isso confere mais acessibilidade e autonomia para que os funcionários guiem suas jornadas educativas. 

Além disso, mídias como Instagram e Tik Tok também passam a fazer parte da estratégia, em especial no microlearning, que é ideal para os aprendizados de curta duração, como a demonstração de um produto. 

2. Bradesco

Buscando a inovação nas práticas educacionais, a UniBrad dispõe de podcasts, games, bibliotecas virtuais, e-books, vídeos e muitos tipos de conteúdos para estimular o autodesenvolvimento. 

Os temas dos cursos variam entre: carreira, mercado, educação financeira, diversidade, ética e outros. Alguns deles são: finanças pessoais, comportamento nas redes sociais e como lidar com as emoções, para melhorar a qualidade de vida.

3. Ernst & Young (EY)

Tendo como missão “transformar os profissionais de hoje em líderes de amanhã”, a EYU promove a capacitação e o desenvolvimento dos talentos, em três centros de treinamento no Brasil. 

São mais de 800 cursos online, que têm como público-alvo desde trainees até diretores e sócios, sendo que cada área tem seus mapas de aprendizado. Para exemplificar, na EY Forensics Academy, há o curso de aperfeiçoamento em investigação corporativa e tecnologia forense.

4. Grupo Fleury

Aliando saúde e educação, a Universidade Corporativa do Fleury se destaca entre as três melhores do país, conforme o prêmio Cubic Awards (Corporate University Best-in-Class), promovido pela International Quality Productivity Center (IQPC).

Alguns projetos de destaque são o programa de desenvolvimento de líderes e os cursos focados na sustentabilidade. Os profissionais também podem aprimorar seus conhecimentos nas técnicas de biologia molecular e celular, assim como na neurossonografia fetal.

5. Leroy Merlin

A Universidade Corporativa Leroy Merlin está organizada em duas áreas-chave. A primeira delas se subdivide em três núcleos: cultura organizacional, desenvolvimento humano e educação. 

Já a segunda parte está mais voltada para as formações e os treinamentos em si. Para tal, são quatro academias: produto, operação, liderança e, por fim, satisfação e venda. 

6. McDonald’s

Com o objetivo traduzir as estratégias do negócio em modelos de aprendizagem, a Hamburger University é uma das mais bem conceituadas do mundo. As escolas de formação se estruturam em: desenvolvimento e inovação, excelência operacional, liderança e negócios.

A educação continuada envolve um amplo rol de projetos, inclusive a responsabilidade nutricional. Em paralelo, as ações sustentáveis estão ganhando mais espaço, a começar pela substituição dos materiais impressos pelo uso de tablets.

7. Sebrae

Na UC Sebrae, a proposta de aprendizagem flexível permite que os colaboradores sejam os protagonistas das suas jornadas de ensino. Eles têm oportunidades de graduação, pós-graduação, especialização, idiomas e cursos livres.

As metodologias inovadoras, como as iniciativas de imersão e os jogos, levam em conta as “múltiplas inteligências” no processo de ensino-aprendizagem. Dessa forma, o Sebrae pode cumprir o propósito de apoiar os pequenos negócios, com base nas premissas: inovação aberta, cooperação, colaboração e conectividade.

Enfim, agora que você já sabe como funciona a universidade corporativa, que tal conversar com os nossos consultores sobre como implantar sua própria universidade corporativa? Nós, da EAD Plataforma, queremos te ajudar nessa missão de compartilhar conhecimento de qualidade, como forma de alavancar os resultados das empresas.

Por isso, você pode testar os recursos por 7 dias grátis! E mais: aproveite para conferir outros conteúdos no Blog, para conhecer mais exemplos de universidades corporativas e suas estratégias de capacitação contínua!

Fabio Godoy