O que é design instrucional e qual é o seu papel para a EAD?

Como fazer para que o processo de educação vá além e se torne uma experiência para os seus alunos? Esse é o papel do design instrucional!

A tecnologia e a internet mudaram totalmente a forma como se aprende hoje em dia. Esses fatores trouxeram outros pontos para serem considerados pelos educadores.

Se você trabalha ou pretende trabalhar com EAD é preciso estar por dentro deste assunto, pois ele pode ser decisivo para o sucesso do seu conteúdo. Saiba tudo agora!

Design instrucional: O que isso quer dizer?

O design instrucional – ou design educacional – é uma metodologia focada no planejamento de atividades de aprendizagem em cursos presenciais, semipresenciais ou a distância.

Ele  trabalha para adequar a linguagem didática dos recursos de aprendizagem, levando em conta a tecnologia e as estratégias que podem facilitar o processo de ensino.

O artigo “Design Instrucional Contextualizado”, que pode ser encontrado no site da ABED (Associação Brasileira de Educação a Distância), apresenta a seguinte definição para esse termo:

“Em um nível macro, o design instrucional é compreendido como o planejamento do ensino-aprendizagem, incluindo atividades, estratégias, sistemas de avaliação, métodos e materiais instrucionais. Tradicionalmente, tem sido vinculado à produção de materiais didáticos, mais especificamente à produção de materiais analógicos

Com a incorporação das tecnologias de informação e comunicação, em especial a Internet, ao processo de ensino aprendizagem, faz-se necessária uma ação sistemática de planejamento e a implementação de novas estratégias didáticas e metodologias de ensino-aprendizagem.”

Além disso, Andrea Filatro, designer educacional, ainda propõe que o design instrucional “Trata-se de uma metodologia de planejamento que consiste em identificar um problema de aprendizagem e criar, implementar e analisar uma solução para esse problema”.

Ou seja, podemos dizer que o design instrucional se dedica ao desenvolvimento de experiência únicas e facilitadoras de aprendizagem.

Isso porque ele leva em consideração uma série de fatores, que ajudam a entender melhor o perfil do público-alvo que deve ser alcançado, tais como:

  • Rotina de vida;
  • Hábitos comuns;
  • Objetivos;
  • Caracterização da persona;
  • Estilo de aprendizagem.

Essas informações auxiliam as instituições a elaborarem conteúdos que engajem verdadeiramente os seus alunos

A ideia é fazer com que eles se identifiquem com os materiais do curso, para que seja estabelecido um ambiente propício para o aprendizado.

Por que o design instrucional é importante para a EAD?

Em um modelo tradicional, um professor ou tutor se preocuparia somente em elaborar um plano de aula, focando no material que deve ser apresentado.

Ele não levaria em consideração os fatores que citamos acima, sobre os seus alunos, que influenciam, diretamente, a forma como eles irão aprender.

Afinal, os alunos devem ser peças ativas de todo esse processo, pois suas contribuições ajudam a construir conteúdos mais eficazes.

Assim sendo, ao utilizar o design instrucional, o objetivo é que seja possível elaborar uma sequência coerente de atividades de aprendizagem, que detenha a atenção dos estudantes.

Especialmente quandos nos referimos à educação a distância…

No caso da EAD, é preciso se atentar a cada detalhe da construção dos conteúdos. Isso porque, não se pode correr o risco de que os alunos cedam às distrações que os cercam.

Criar materiais que geram um momento de plena atenção em seus alunos é o desafio de todo produtor de conteúdo EAD.

E é justamente aqui que o design instrucional pode auxiliar os tutores de cursos onlines.

Como o design instrucional pode ser aplicado na educação a distância?

O modelo clássico utilizado no design instrucional e mais adotado pelos cursos a distância é conhecido como ADDIE.

ADDIE é a sigla em inglês que compreende cada uma das fases desse processo, sendo elas:

  1. Analysis (Análise); 
  2. Design (Projeto)
  3. Development (Desenvolvimento);
  4. Implementation (Implementação);
  5. Evaluation (Avaliação).

Entenda abaixo como funciona cada uma das etapas desse modelo, que pode ajudá-lo na construção dos seus conteúdos EAD.

Utilizamos como base o material “O Modelo ADDIE na Construção Colaborativa de Disciplinas a Distância”, disponibilizado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 

1. Análise

O primeiro passo, é entender qual é o problema educacional que deverá ser resolvido

Esse é o momento de conhecer o contexto da aprendizagem, o público-alvo, as metas,  objetivos e outros pontos relevantes.

Além disso, é aqui que você também avaliará os recursos disponíveis (financeiros, estruturais, humanos, etc.), para o desenvolvimento da solução. 

2. Projeto

Durante essa etapa são definidos os objetivos do processo de aprendizagem

São descritas as formas como o conteúdo será disponibilizado, atividades e o formato das avaliações dos alunos.

Aqui também são definidos os formatos dos materiais que serão utilizados. Por exemplo: videoaulas, apresentações, e-books, infográficos, transmissões ao vivo, entre outras.

3. Desenvolvimento

Com o projeto pronto, partimos, efetivamente, para a produção dos materiais planejados na etapa anterior. 

É hora de arregaçar as mangas e focar no construção do projeto, seja por conta própria ou com o apoio de sua equipe e/ou parceiros. 

4. Implementação

Agora é partir para os testes, validação e a implantação dos materiais produzidos, para começar a entender na prática como o conteúdo será consumido.

Uma ideia que pode ser interessante para realizar esses testes é oferecer um curso gratuito experimental, para começar a captar alguns alunos.

5. Avaliação

A avaliação é um passo que deve ser realizado constantemente, para medir o desempenho do seu conteúdo.

No modelo ADDIE são consideradas dois tipos de avaliações. As formativas, presentes em cada etapa do processo de criação e as somativas, que são compostas por testes aplicados aos usuários do material produzido. 

Feita a avaliação dos materiais, podem ser aplicadas revisões e atualizações pertinentes para melhorá-los.

As vantagens do design instrucional e como aplicá-lo seu curso online

Em suma, o design instrucional auxilia na construção de materiais de educacionais personalizados e exclusivos para um determinado público. Sua função é a de de facilitar os caminhos da aprendizagem.

Desta maneira, ao utilizar esse recurso, os produtores de cursos online poderão disponibilizar materiais mais direcionados a realidade de seus alunos.

Conteúdos que levem em conta o estilo educacional, o ritmo individual de aprendizagem e os objetivos de cada pessoa.

Tudo isso é feito com base no  conhecimento sobre o público-alvo, feedbacks constantes e a integração entre todos os agentes envolvidos no processo.

Enfim, para começar a trabalhar o design instrucional no seu negócio EAD sugerimos alguns caminhos:

Encontre um designer instrucional

O designer instrucional é o profissional que poderá auxiliá-lo em todo esse processo de construção de materiais educacionais.

Portanto, talvez seja interessante buscar a sua ajuda e passar por uma consultoria, para melhorar os conteúdos do seu curso online;

Estude sobre o tema

Andrea Filatro, especialista em design instrucional, possui uma série de livros dedicados ao assunto, que podem ser muito úteis.

Alguns exemplos são “Design Instrucional na Prática” e “Design instrucional contextualizado”. Invista nessas leituras!

Busque uma formação

Aliás, se esse tema despertou o seu interesse, você pode buscar uma formação nessa área, que ainda é relativamente nova no mercado. 

Somente em 2017, a Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) abriu a primeira turma do país para o Curso Superior de Tecnologia em Design Educacional.